Aprendendo com os erros sem autopunição

Aprendendo com os erros sem autopunição

Não tem jeito, ao fazer uma escolha, algo fica para trás! 

São as escolhas e ações que criam nossas realidades. E às vezes escolhemos ou fazemos algo que nos leva na direção oposta da realidade que queremos.E quando isso acontece nos sentimos muito mal – causa um desconforto e insegurança. Podemos chegar ao ponto de nos rotularmos com vários adjetivos não tão simpáticos quando surge uma situação como essa. 

 

Em vez de nos rotularmos, poderíamos simplesmente reconhecer que fizemos uma escolha que nos levou a um caminho específico e que foi uma tentativa, perdoando a nós mesmos e nos preparando para a nossa próxima oportunidade de escolher e agir de maneira a apoiar melhor nossas intenções.

Não é isso o que você falaria para um amigo?!

“Tudo bem! Agora bola pra frente”

Por que não dizer isso pra si mesmo?

 



Rotular-se de algo bom ou ruim é pensar pequeno demais.

Não existem rótulos pré-definidos até porque definir significa dar fim...

 

Muitos de nós experimentamos infâncias nas quais as palavras bom e ruim foram manipuladoras para nos controlar - você era bom se fizesse o que lhe pedissem e e ruim se não o fizesse. 

Esse tipo de disciplina mina a capacidade da pessoa de encontrar seu próprio centro moral, confiar e ser guiado por seu próprio senso da verdade. Seu centro moral não pode ser baseado em bom ou ruim e sim em verdadeiro ou falso.

 

Se você se auto julgar, tente parar o mais rápido possível e voltar ao centro. 

Saiba que você não é bom ou ruim, você é simplesmente você.

Uma parte importante de nosso desenvolvimento espiritual exige um crescimento além do que aprendemos, para assumir a responsabilidade por nossa própria libertação em nossos próprios termos.

 

Você é um ser humano com todo o direito de aprender e experimentar.

Você é um tomador de decisão e a cada momento você tem a oportunidade de se mover na direção do que faz mais sentido pra você em dado momento.

 

No final, só você vai saber a diferença. 

Comentários (0)

Adicionar Comentário